Páginas

quinta-feira, 6 de fevereiro de 2014

Atividades: Vida atribulada

Inicio de ano é complicado, não é mesmo? Voltamos das férias quase precisando de folga, de tantas coisas que queremos fazer em poucos dias e... já temos que novamente entrar na rotina, que normalmente é muito, mas muito mesmo, mais corrida que a do período anterior...

No inicio do ano temos que acertar as contas, arrumar a mochila; e os materiais; e os uniformes; e a agenda da escola... e o que mais mesmo da escola? Ah! A reunião para conhecer os professores... Também o retorno à aula de música, de equitação, de... E daí aquela pergunta: "mãe eu vou fazer inglês este ano? Mãe, posso fazer aulas de desenho... Mãe, a "fulaninha" vai fazer escola de circo, também quero...  vai ter xadrez na escola...e por aí a fora..."

E, daí que a Laura entrou para o 3º ano do ensino fundamental. A carga horária é um pouco maior, o conteúdo é um pouco mais extenso e começam as provas para valer! E, daí que você também não quer negar oportunidades para sua filha, você quer ampliar seus horizontes, incentivar novas amizades...

Socorro! O dia só tem 24 horas para a criança, que como já comentamos em outros posts, precisa dormir, precisa um tempo para brincar, e outro para não fazer nada e abstrair... kkkk, isso sem comentar que NÓS - isso mesmo nós mamães (ou papais ou quem os cuida) precisa de tempo para comer, ir a banheiro, etc, etc, kkkkk. Nossa! São decisões simples, mas que devem ser pensadas e discutidas em família  - organizadas, para que todas as atividades não se transformem numa tortura estressante e surtam efeitos beeeemmm negativos.

Outro dia vi esta discussão num programa de TV. E, tanto o pediatra quanto a psicopedagoga que estavam sendo entrevistadas (desculpe, não anotei seus nomes) afirmavam: criança precisa brincar, precisa do lúdico, precisa descansar e precisa participar de algumas decisões que envolvem o seu dia a dia. Eles sugeriram que crianças  de até 5 anos de idade, não tenham atividades extras; além da escolinha. Para que possam ter um tempo maior para absorver o conteúdo aplicado, brincando... A partir dos 6 anos, duas atividades extras podem ser incorporadas à rotina, não mais.  A sugestão é que uma delas seja uma atividade física e outra intelectual. Somente lá pelos 12 anos, o pediatra sugeria que as crianças ocupassem seus dias com mais atividades... E eles ressaltaram que não é saudável, para crianças pequenas, incentivar a competição e a concorrência - contrariando o que muitos pensam, hoje em dia, não é verdade?

Em concordo com eles. Sempre acreditei que criança tem que ser criança e BRINCAR.  Inclusive, penso que muitos de nós, adultos, sofreríamos menos de estresse se tirássemos um tempo para brincar e descansar não é mesmo??? Outra: sempre acreditei que devemos considerar a opinião dos pequenos e conversar muito com eles para tomar algumas decisões. E que tudo tem um objetivo... No nosso caso, a Laura acredita ter descoberto uma atividades física de que gosta e se sente capaz, a equitação... E faz, há dois anos, outra atividade intelectual de que aprecia: a música, que incentiva o raciocínio, a concentração e a leitura e proporciona relaxamento. Ok. Duas atividades extras. Agora, com 7 anos, ela passou a se interessar por outros assuntos. E, como vocês, sabem, ela precisa se integrar, fazer novas amizades e desenvolver autonomia. Então, por que não acrescentarmos mais alguma coisa? Ou o inglês, ou o desenho, ou o xadrez, ou a aula de circo? Vamos experimentar.
E vocês? Como organizam o seu dia a dia? Que atividades extras seus filhos fazem... como eles se sentem com relação à carga horária de atividades?

BJKS Barulhentas de muita saudades de vocês...